IdeFácil

23 de janeiro de 2017

Lucas 16.1-13

Queridos amigos, tenho me dedicado a leitura dos evangelhos, mais especificamente o evangelho de Lucas, por causa de sua escrita, dito pelos comentaristas, o melhor grego do novo testamento, mas por ser uma pessoa muito esforçada na leitura de documentos e na busca pela verdade, isso é fascinante! Vemos Lucas reunindo documentos, relatos, visitando lugares, para chegar mais próximo de tudo que pode ouvir, de fato um erudito! Estima-se que os relatos dos evangelhos concentrem-se somente 20 dias do ministério de Jesus, incrível!

No capítulo anterior Jessus repreende os fariseus com três parábolas de cair o queixo. No capítulo citado, Jesus nos dá uma aula de economia, matemática, sociologia, psicologia, administração, tomada de decisão, além ,de usar um exemplo ruim, para ilustrar o que é bom! Jesus é fantástico! Sem mais delongas, vamos voltar nossos olhos para o registro de Lucas, no capítulo 16.1-13, onde nosso Senhor nos dá uma aula muito importante em conversa com seus discípulos acerca do trabalho, dos negócios, das amizades, dos relacionamentos, como lidamos com dinheiro e até mesmo daqueles que nos lideram. 

Pois bem, o capítulo começa com as palavras, de um homem rico que tinha um administrador: "Estou sendo roubado (na minha bíblia está assim...rsrs), faz o seguinte, o homem rico disse ao adminitsrador: "me presta conta de tudo que tenho, e quem me deve e pode ir embora, está demitido!". O cara ficou atônito, porque não sabia fazer outra coisa a não ser se dar bem a custas do tal homem rico, porque digo isto, se dar bem? (Segundo, Josefo, historiador do século 4, na época era de costume que o administrador cobrasse um juros para si nas promissórias, sem que seu senhor saiba), o administrador não tinha aptidão para nada, não tinha força para campo e tinha vergonha de pedir (ainda era orgulhoso). 

No verso 4, o "sei que vou fazer", ou melhor, "eu sei" traduz o aoristo com significado semelhante de: "Tive uma idéia", lascou! (Em uma leitura fria, diria que o administrador era brasileiro), ele toma uma decisão de tirar ainda mais proveito, porque não era de trabalho e era orgulhoso. Qual foi então sua ideia:  "vou fazer o bem a essa gente que deve (na minha bíblia está assim), e em retribuição à sua benevolência, seria recebido nas casas dos devedores, para usufruir de benefícios!

Então, no verso 5, ele manda chamar o primeiro: Tá devendo quanto? (lembrei do comercial, quer pagar quanto?), ele disse: Cem batos de azeite (Aproximadamente 875 litros, ou melhor o fruto de 146 oliveiras), o administrador retira 50% da dívida, que homem bom! E perguntou ao próximo (verso 7): E vc, deve quanto? Cem coros de trigo, o administrador disse a ele coloca aí oitenta (menos 20%). Que homem bom!

No verso 8, parece parodoxal, o senhor (seu chefe) elogia seu administrador que estava de aviso prévio por sua astúcia, ou melhor, por sua capacidade de resolver as dívidas tão rápidas, embora diminuindo o valor das mesmas. O chefe queria na verdade, esfolar vivo, mas para não ficar mal na fita, purificou a atitude do seu emprego com aviso prévio. Se você achou que o administrador agiu certo em retirar sua porcentagem de lucro e prestar contas, colocando seu senhor bem na fita, o verso 8 lhe dará um alerta, "os filhos deste mundo são mais astutos para com sua geração, do que os filhos da luz", ou seja, o conceito que reina no seu coração é mundano, porque os filhos da luz querem justiça, e justiça é feita com igualdade e sem concessões.

No verso 9, Jesus dá outro alerta, sobre como devemos pautar nossas amizades, ou mesmo, a base de para amizades cristãs sem esperar beneficios da amizade. Jesus repreende a forma de obter vantagens sobre os outros (colecionando figurinhas de um álbum, quando essa serve, lanço mão) ,pois quando faltar emprego, eles vos recebam. O que está em questão é o  dinheiro. Este deve servir para fins eternos, ou seja, das esmolas, ajudar o próximo, investir no reino, na evangelização, aí sim seremos recebidos em lugares eternos porque investimos em alvos eternos: pessoas.

O verso 10, nosso Senhor deixa claro que o homem é um de fio e pavio, é uma unidade. Se for infiel no pouco, sua vida está fadada ao erro. É triste, mas pura verdade! Dando seguimento aos versos 11, 12 e 13. Jesus é bem claro, se vocês não cuidam bem das suas coisas como cuidará dos outros.

Implicações Práticas

1 - Seja honesto em qualquer situação, pois isso proverá que provém de Deus. O administrador resolveu ser honesto somente se viu ameaçado ão, vv.1;
2 - Seja multidisciplinar, ou seja, apreenda a fazer várias atividades, ainda mais no mercado competitivo em que nos encontramos, para que você possa ser um profissional valorizado por sua competência e não por ser amigos de fulano, vv.2;
3 - Embora, retirar lição do exemplo ruim do administrador, vv.4, ele tem uma idéia. Na vida temos que tomar decisões que aparentemente não nos beneficie, ou até mesmo que sigfnique uma perda;
4 - A dívida que está explicita no verso 5-7, me remete a dívida paga por Jesus, que de uma vez por todas pagou nossa dívida com o Pai, não foi de 50% ou 20%, mas de 100%;
5 - Deus te faz um convite a ter uma vida reta sem ter com que se envergonhar, para que não precise usar os métodos relacionais do mundo para que conquiste algo, vv.8;
6 - Somos mordomos e dispenseiros, Jesus nos convida a construirmos tesouros para a eternidade. Ajudando o próximo, ainda mais os de fé. vv8-9;
7 - A base dos nossos relacionamentos é a vida de Jesus, e não que o próximo pode me oferecer. Por que a vida de Jesus? Porque o próximo é um igual e não um diferente, pois diferente se torna inimigo, vv.9;
8 - Nossa vida deve demonstrar de quem somos, o escravo é chamado a agradar seu senhor, o senhor dele é evidenciado pela maneira como ele serve, vv10;
9 - O Homem totalmente corrompido precisa de uma salvação que o faça mudar de direção, pois sua infidelidade é evidencia na hora em que abre sua boca, vv10. 

Soli Deo Gloria
Jesse Almeida.


27 de novembro de 2016

Nossa mensagem: Cristo, e esse ressuscitado!

Jonas 1.2
"Vai a grande cidade de Nínive e prega contra ela".

Nínive a capital da assíria em 740AC, casa de verão do imperador e sede do governo. Lugar extremamente estruturado, tanto bélico, quanto governamental. Sede de um governo de extensão de 127 províncias. Jonas por sua vez consultor de assuntos espirituais do reino do norte, no reinado de Jeroboão II, onde tinha predito que reino seria de prosperidade (2 Rs. 14.25). Agora tem que ir para Nínive em uma convocação de Deus para "pregar". 

O que percebo no livro de jonas e em seu contexto é o medo da possibilidade de se relacionar com os assírios, mas a ordem de Deus não foi para relacionar-se com eles mas sim pregar. Alguns diriam: - Ah, mais para pregar temos que conhecer público pelo qual irá e direcionar a mensagem, não é mesmo!? Mas Jonas sabia quem eram, o que faziam, suas atividades. O que não queria era sua conversão! O que torna o chamado de Jonas interessante ele sabe com quem está lidando, o que Deus estava a pedir era seu compromisso com a mensagem.

Irmãos, o que Deus requer de nós como pastores, pregadores e etc..., não é viver da forma com que as pessoas pelas quais vamos exercer nosso ministério, ou se quer viver com elas, no sentido de dar opiniões sobre suas vidas se é certo ou errado, mas o compromisso de não negociar a mensagem, e nem fazê-la palatável e devidamente ajustada a uma realidade, caso contrário não será evangelho, pode ser qualquer outra coisa, mais não será a palavra de Deus. 

Jesus nasceu para que se cumpra as escrituras, morreu por nossos pecados segundo as escrituras, ressuscitou ao terceiro dia segundo as escrituras. A mensagem é Cristo, e esse ressurreto! Será inútil todo tipo de pregação que não tenha Jesus no centro. Jesus não blindava pessoas sobre quem diz ser, muito pelo contrário, ele as deixava refletir se de fato ele era o messias para cada um com que ele tinha contato. Pregamos não como propaganda religiosa, pregamos porque é a única forma da voz do que clama despertar fé nos eleitos.

Soli deo Gloria,
Jessé Almeida.
Posted on by Jesse Almeida